Thursday, November 23, 2006

A Imagem Romântica



Há outras coisas, Horácio,
e a tua filosofia é barata,
na verdade não custa fixar
as coisas ideais à distância:
terás vista panorâmica
mas sempre a visão é polémica.

Gostava que alguém me mostrasse,
mas não terei nunca garantia
de que envelhecer faça sentido.

As pessoas prostram-se, queremos que nos digam
porquê não haver luz nos seus rostos. Crestam
os cravos, antes rubros. Não há modo
de saber se as monarcas
têm memórias arenosas de lagarta.
Tudo sucede dentro de estanques
casulos, a seda é densa,
não se faz ideia
se isto acaba. Estrelas foscas
correm, pessoas morrem, a vida
é breve, impávido o
real que ansiamos designar.
Comparar é colidir: o verbo
talvez nos leve
a mais nenhum sinal.

Friday, November 10, 2006


escrevo o poema enquanto penso agora
por que não um soneto panegírico
desta hora de que abdico e não repete
nunca mais nevermore é para sempre

que só resta a saudade portuguesa
e tal que concerteza universal
será mournful e neverending era
um corvo que grasnava deixa lá

já nem o vês passou está só ali
ainda e não obstante o ruge ruge
gingando a esconso metro a sua asa

e escarnecendo à pala da poesia
senão mesmo do mundo vai por mim
que por um triz a treta engrupia.

Blog Archive

Contributors