Sunday, April 30, 2006

Efemérides # 1

DIA DO TRABALHADOR,




em feliz sintonia com o aniversário natalício do blogger Camarada D aka Alexandre Dias Pinto. Parabéns, portanto, para todos nós.

Thursday, April 27, 2006

Male Bonding # 2



FAG said...

anna sempre me repugnou seres usada
violada pela pena de aço do velho
olha como se fosses minha filha
Eu riscava-te das bibliotecas
se houvesse uma inquisição para
defesa das almas violadas
Como te pôde retratar e retratar-se
quando até pugnou pelo fim da servidão
da terra e do homem como te pôde
fruir e logo enjoar como à última
das suas três mil servas, a ti
uma senhora

Pequena provocação



Desconfio, Tolstói, que não nos estávamos a entender:
Deixei que me pintasses por ter lido algures
não ser raro o artista tornar-se o retratado
mas cedo admito surpreendi em mim os teus trejeitos
que eu era um modelo às tuas poses obedecia inclinava-me
consoante me olhavas abstraía-me quando diluídas
tuas pupilas na função de me não veres erecta não havia
qualquer desejo entre nós eu simplesmente morria
no fim sabias disso desde o início eu sem qualquer mansidão
devo dizer-te esperei que mudasses de ideias não consegui
jogar contigo seria aliás delicado não me teres matado assim
como no início mas ias lá defraudar tão fáceis auspícios
prevendo homem cruel de antemão entre todos que jamais
me escreveram o deselegante desfecho meu corpo
de mulher perdida ao assalto da locomotiva os braços ao acaso
não balançavam já quiseste partir-me e veres de que me fazia
tiraste-me um filho tiraste-me dois deste-me mais que um homem
e sequer em troco te ocupou montar-me passe o obsceno chiste
achaste que devia perder-me mas foi quando comecei a cansar-te
e todos os sobrenomes e o espírito e as relações que me atribuías
fruto de um complexo sistema linguístico polida a falsa
intimidade nada daquilo me dizia tal como os meus olhos
repara não foram nunca escuros e tão pouco coruscantes
que o magnetismo é coisa de animal eu queria
ser pessoa sem disfarçados cordéis sem truques eu queria
tréguas mandava às urtigas o teu romance eu queria
a verdade ao passo que tu com critério julgavas escolhias
o tom pastel que melhor me assentava e dizias são escuros
enquanto eu para variar tentava ver-me no teu papel e claramente
te fixava custou tanto que não pude desistir e afinal depois
de tanto esforço entendi absolutamente nada eras quem
me lias e eu quem não existia e esse enjoo
da fêmea em que se entra e a outro voo é interdita já então
eu definhava sob tua pena hirta pouco fui
capaz espreitando por teu ombro de corrigir-te a mão
bom seria sermos quites porém ainda não em paz.

Anna Karenina

Monday, April 24, 2006

De hoje para amanhã

e sempre

Trabalhador


colhendo cravos para uma creche no sul da Califórnia

Saturday, April 22, 2006

Horrível

esta noite foi como se fosse um sonho histérico

Friday, April 21, 2006

Condição

Não sou mulher-mãe
nem sou musa de ninguém.

O papel de parede amarelo



Descobri realmente qualquer coisa enfim.
De tanto o observar à noite, quando está constantemente a mudar, eu enfim descobri.
O padrão na superfície move-se de verdade – e não admira! A mulher por trás abana-o!
Às vezes acho que há uma quantidade fabulosa de mulheres por trás, e às vezes que só uma, e que gatinha velozmente em redor, e ao gatinhar abana aquilo tudo.
Depois, nas manchas muito brilhantes fica quieta, e nas manchas muito na penumbra agarra-se às grades e abana-as com muita força.
E está constantemente a querer trepar por ali. Mas ninguém seria capaz de trepar por aquele padrão, que estrangula de um modo tão brutal; acho que é por isso que tem tantas, imensas cabeças.

Charlotte Perkins Gilman in “The Yellow Wallpaper” (1892).

Epifania das Batatas-hóstia

Conheço o descendente de quem as inventou!



Batata frita Pala Pala
É uma tara de sabor

Saturday, April 15, 2006

A Paixão, segundo infante

Falta muito tempo para morrer e falta muito tempo para viver.

Se não há partilha,

o artista é quase tão aberrante como um padre que celebrasse a missa só para si.

Adília Lopes (citada hoje, no Mil Folhas, por EPC)

Female roles #1 (ou a goma nos naperons)


MORRE COMIGO ESTE SEGREDO

faz-se a renda juntando os quadrados
em fiadas, uns que se abrem e outros
que se fecham, é fácil mesmo de olhos
vendados, como agora nesta casa
onde vivo emparedada entre lágrimas
crónicas de cataratas e os ratos
que me atacam as crostas do telhado,
esta casa onde nasci e onde hoje
só a morte espera ainda que eu
já não espero nada, sepultado

o pânico da vida sem eventos
durmo de um só sono à noite com
os meus medicamentos e a Bíblia
à cabeceira, no canapé a colcha
por acabar que é para o enxoval
da filha da afilhada – tantas vezes fui
madrinha no altar, até dos manos
que vinham de visita aos domingos
mais as cunhadas prenhes e ufanas
sem saberem felizmente que a vida

que me não quis amada me fizera
amante insana em tempos pubescentes
nessa época antiga do recente
mênstruo empolgando os animais,
mergulhando-me e às amigas no
mistério das regras mensais do corpo
ainda irregular, nesse outro tempo
dizia em que um estrangeiro me apartou
das alegrias do gineceu e me deu
a conhecer o intranquilo apelo

que com desconforto rompeu
o retráctil selo do meu sigilo—
e porque ainda em flor fui desflorada
nunca mais quis eu o amor nem ser
casada, e portanto que escarneçam se
quiserem as cunhadas cobiçosas,
levem-me os móveis mas deixem-me a casa
onde fui nada e fui criada que sem
a deixar nunca me valeu o ganho
das rendas que me pedem de encomenda,

e em tudo o mais levo eu vida piedosa,
cumpro os ofícios na missa e recolho
o ofertório finda a homilia;
só eu sei da lingueta do ferrolho
onde fulgem as jóias da família.

Sunday, April 09, 2006

La Belle Dame Sans Merci




CANTIGA

Senhor genta,
min tormenta
voss' amor en guisa tal
que tormenta
que eu senta
outra non m' é ben nen mal,
mas a vossa m' é mortal.

Leonoreta,
fin roseta,
bela sobre toda fror:
fin roseta,
non me meta
en tal coita voss' amor!

Des que vejo
non desejo
outra senhor se vos non,
e desejo
tan sobejo
mataria un leon,
senhor do meu coraçon!

Leonoreta,
fin roseta,
bela sobre toda fror:
fin roseta,
non me meta
en tal coita voss' amor!

Mia ventura
e loucura
me meteu de vos amar;
é loucura
que me dura
que me non poss' eu quitar.
ai fremosura sen par!

Leonoreta,
fin roseta,
bela sobre toda fror:
fin roseta,
non me meta
en tal coita voss' amor!

Cantiga de amor de João de Lobeira, sob quadro, com o título do post, do pré-rafaelita John William Waterhouse

Thursday, April 06, 2006

La Belle Dame Sans Merci




CANÇÃO

Em minha sepultura,
ó meu amor, não plantes
Nem cipreste nem rosas;
Nem tristemente cantes.
Sê como a erva dos túmulos
Que o orvalho humedece.
E se quiseres, lembra-te;
Se quiseres, esquece.

Eu não verei as sombras
Quando a tarde baixar;
Não ouvirei de noite
O rouxinol cantar.
Sonhando em meu crepúsculo,
Sem sentir, sem sofrer,
Talvez possa lembrar-me,
Talvez possa esquecer.

Christina Rossetti, tradução de Manuel Bandeira; a pintura tem o título do post e é do pré-rafaelita Cowper.

Wednesday, April 05, 2006

NÃO HÁ MOTIVO PARA ALARME

que a linha da vida rescinda
em lépida lima na artéria
que dizem indolor num molho tépido

Tuesday, April 04, 2006

Fiquei com uma bola de neve no coração.

Sunday, April 02, 2006

Intermitências Internáuticas

Aproveito computador roubado para informar que dificuldades de ligação inviabilizam temporariamente a prossecução deste blog. Retomaremos a emissão assim que possível.

Blog Archive

Contributors