Thursday, February 10, 2011

Medeia


[Lugar baixo, rancor surdo, tremenda
raiva – o despeito da mulher
ao centro e o sensato coro atrás.]








Diz-se que matou o próprio irmão,
que descende do Sol e solo bárbaro,
e que, deslumbrada por jovem prático
e pouco espiritual, lhe deu
um animal de lã dourada. Ele
porém ainda quis um trono, outro
matrimónio e o mando dum país.

Quando uma feiticeira chora invoca
demónios que invocam malefícios.
O escritor, atento ao móbil, fixa
os joelhos da semideusa mágica
e empático pinta-lhe na boca
a palavra trágica: eu nada quis
para mim, por ti só tudo fiz.

E o mundo  entretém no seu decurso
o público. Do crime participa
quem dele tira prémio ou espanto –
E o pranto corre a cada livre gesto
e o excesso com que sofre nos consola
o sobressalto. E o manto que tece
sufoca em chamas e excita deveras
o sangue a correr e a carne a arder.

Resta um par de cadáveres infantis
aos pés do pai: o céu está vazio
e ninguém saiu ainda da sala.
Para concluir o acto o génio
declara solene que ali se ama
e mata sobre a cena. Não mais
discursos. Inclina-se e repousa

a pena com a ponta de veneno.

5 comments:

Geraldo Brito (Dado) said...

Saudações e parabéns pelo blog!

lebredoarrozal said...

gosto tanto:D

Toni Ganso said...

Quer ter 1 Milhão de Visitas em seu site?
Este serviço é oferecido totalmente gratuito e possibilitará a você ter até 1.000.000 de visitas ou mais em seu site. Trata-se de um Sistema de Marketing Viral 100% automatizado. Não perca tempo e cadastre-se:

http://www.1000000devisitas.com/?id=524

Clinica Psicologia said...

Very nice post. hope you continue posting. belo post. espero que continuem a postar online. Pedro

Luís Freitas said...

Muito bom, não só este post como também os outros, alegra-me saber que ainda há pessoas a escrever tao bem =)

Blog Archive

Contributors