Sunday, January 27, 2008

poema de Rogério Rôla para mim

(quando se tem amigos que nos escrevem assim até se fica gaga)


DESCOLAGEM


Como eu gostava de me elevar

na ponta dos pés quando me abraçavas

e pendurar-me ao teu pescoço.



Sorvia -te os olhos a voz e os lábios

e a tua nuca voava mais alto

como aeronave que toma outro rumo.



Eu ia feliz seguindo embalada

a directriz da tua viagem

sempre pendurada ao teu pescoço.



Os calcanhares já não tocam o solo

cruzo a estratosfera o ar rarefeito

pendurada e rígida ao teu pescoço.


Rogério Rôla

1 comment:

Diana said...

que bom os manos se, nos puderem sustentar suster. de se lhe tirar o chapéu

Blog Archive

Contributors