Thursday, April 06, 2006

La Belle Dame Sans Merci




CANÇÃO

Em minha sepultura,
ó meu amor, não plantes
Nem cipreste nem rosas;
Nem tristemente cantes.
Sê como a erva dos túmulos
Que o orvalho humedece.
E se quiseres, lembra-te;
Se quiseres, esquece.

Eu não verei as sombras
Quando a tarde baixar;
Não ouvirei de noite
O rouxinol cantar.
Sonhando em meu crepúsculo,
Sem sentir, sem sofrer,
Talvez possa lembrar-me,
Talvez possa esquecer.

Christina Rossetti, tradução de Manuel Bandeira; a pintura tem o título do post e é do pré-rafaelita Cowper.

4 comments:

Alexandre Dias Pinto said...

Uuuuuui! É destas gajas que eu tenho medo. Vou dizer uma banalidade: o quadro é mesmo lindíssimo.

Woman Once a Bird said...

Magnífico, o poema.
E, já agora, também gosto da ideia de mudarem a cor do template semana a semana... dama e alfinete alternadamente!

ângela said...

para ti, especialmente, e para a restante equipa:) boa páscoa. eu vou à livraria comprar amêndoas;)
beijos

dama said...

Boa Páscoa também, Allegra, com coelhos de Alice para as tuas e para a minha.

Blog Archive

Contributors