Friday, February 10, 2006

Mais depressa se agarra um pássaro do que esta miúda a voar


Com cobardia iludo a pequena provocação do alfinete sobre os gorjeios de mulheres e os discursos dos homens, apresentando a minha versão deste poema de Emily Dickinson, poeta que, sem ponta de garrulice, não obstante balbuciava e tergiversava:

Trancaram-me na Prosa –
Como quando, uma Garota,
Me castigavam no Quarto –
Por me quererem “sossegada” –

Ora! Pudessem eles espreitar –
O meu Cérebro – andar à volta –
Tanto valia encurralarem
Um Pássaro – por Trespasse –

Ele só tem de querer
E com ligeireza de estrela
Abolir seu Cativeiro –
E rir – O mesmo a mim me basta –

1 comment:

M.Azul said...

Que festa! E eu que não tinha lido este... só agora! Bué contente!

Blog Archive

Contributors